Ator Renato Bego da Cia. Articularte é premiado!

Em sua última edição, o Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem acabou de premiar um dos principais atores que trabalha com a Cia. Articularte há cerca de uma década, Renato Bego. Em 2017 com o espetáculo Menino Coragem o grupo passou perto do prêmio, quando recebeu três (03) indicações: “Trilha Musical Adaptada”; “Texto Original”; “Prêmio Sustentabilidade”. Mas dessa vez (um ano depois) na montagem do espetáculo A Comédia dos Erros, de William Shakespeare, Renato Bego conquistou o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante de 2018, interpretando o personagem Drômio, em uma bela montagem da Cia. Nefanda. 

Pelo Facebook, Renato espalhou a sua emoção: “Agradeço de todo meu coração aos meus amigos, que fazem parte deste prêmio, Natasha, Rodrigo, Henrique, Jackson, Zenaide, Magiu, Luiza, Maristela, Julia, Tiê, Mel e Edu. A força e a energia deste grupo é tão forte, que mostra que escolhemos bem em montar uma obra tão difícil e grandiosa. Não… não esqueci de você Paula Ravache!…Quero agradecer a você por tudo, pela nossa parceria, por tudo que aprendi com você e sua arte, sua produção, seu talento… e por você ter me aguentado na construção do cenário do espetáculo…😅” . E uma das parceiras de cena de Renato no espetáculo shakespeareano, atriz Paula Ravache rebateu com amplitude: “Hoje é dia de homenagear meu grande amigo, companheiro de trilha dessa longa e árdua estrada que se chama Teatro, Renato Bego…”, concluiu.

O jornalista, dramaturgo e crítico de teatro infanto-juvenil Dib Carneiro Neto, um dos jurados (*), escreveu no site Pecinha é a Vovozinha: “Foi uma longa noite de comunhão, afeto e solidariedade por um projeto que completou 25 anos e foi abandonado por seu patrocinador (Coca-Cola Femsa), sob alegação de não estar mais entre suas prioridades. A classe artística paulistana, dedicada ao teatro feito para o público infantil e jovem, compareceu em massa. Todos os que subiram ao palco manifestaram-se pela continuidade do Projeto São Paulo e lamentaram a atual crise cultural que o País vive, sobretudo por conta das censuras a obras culturais que estão se alastrando por incentivo do governo federal….”

Dib Carneiro nos informou também que os jurados assistiram 33 espetáculos no primeiro semestre e outros 26, no segundo, somando ao todo nada menos do que 59 espetáculos! E só não avaliaram mais peças porque existe uma regra: é preciso que os grupos fiquem em cartaz pelo menos durante 12 sessões. E aqui existe um pouco da dificuldade que a classe teatral encontra atualmente: realizar 12 apresentações hoje, de olho nos custos e com a concorrência cultural maravilhosa que existe, não é nada fácil. (veja aqui no site Pecinha é a Vovozinha a cobertura completa da premiação).

(*) Completaram o grupo de profissionais, as juradas: Monica Rodrigues da Costa, Gabriela Romeu, Bia Rosenberg, tendo como produtora e organizadora a  incansável Luiza Jorge. O grupo separou dezenas de finais de semanas para trabalhar, assistir e avaliar mais de meia centena de espetáculos produzidos durante todo o ano de 2018.

Homenagem

Ainda segundo o site Pecinha é a Vovozinha…”Não faltaram também cinco minutos de homenagem ao diretor, ator, dramaturgo, cenógrafo, figurinista, educador e faz-tudo Ilo Krugli, funador do Teatro Ventoforte, que morreu na semana passada, aos 98 anos”.

Conforme um trecho do texto escrito e lido no palco pelo jornalista Dib Carneiro Neto: “A dor ainda é muito recente. Faz praticamente uma semana que ele nos deixou. O argentino, naturalizado brasileiro, Elias Kruglianiski, o Ilo Krugli, estava com 88 anos e era uma criança…Ilo nos deixou e não nos deixou. Abriu tantos caminhos, mas tantos caminhos, que seu legado será eterno. Nada disso que está acontecendo hoje aqui, nesta cerimônia de celebração ao teatro, poderia ser possível não fosse sua presença luminosa neste mundo, sua passagem marcante e retumbante.”

O Teatro Sergio Cardoso vibrou suas pilastras com lotação completa! E tudo terminou com esperança teatral, contando com representantes de peso de instituições presentes, como Sesc, Sesi, Teatro Vivo, APAA – Associação Paulista Amigos da Arte e Secretarias Municipal e Estadual de Cultura, todos prometendo apoio incontinente para que o Prêmio não feche suas portas cênicas.

A produtora já conhecida da Classe Teatral, Luiza Jorge, também criadora, curadora, influencer, inspiradora e faz-tudo do Projeto São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem – fechou as cortinas da premiação com um discurso incisivo, elegante e emocionante, quando resumiu a sua trajetória incansável durante os últimos 25 anos.

De uma forma ou de outra, temos aqui muitos vencedores de todos os lados somente nesse 2018. Imaginem a soma teatral de um quarto de século! Por isso ou por tudo, não é possível que o último ato seja interrompido por um simples apagar de luzes.

Queremos mais. E teremos mais!

Evoé! Salve o Teatro Infantil e Jovem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *